Menergy é a nova onda?

1a_12.JPG

Mercado busca definição para o novo homem

As meninas do Oficina de Estilo fizeram um super-post sobre moda masculina, que vale a pena ler e discutir: Moda para meninos machinhos.

Elas falam sobre o menergy, a substituição da figura metrossexual pela figura do homem real. Resolvi comentar o post.

Vamos lá. Acho que a moda masculina segue por vários caminhos, aliás, como a moda como um todo. Nisso concordo com a Regina Guerreiro, a palavra tendência é definitivamente “last season”.

O caminho principal é um retorno ao clássico homem-homem. O metrossexual não emplacou em termos de mercado, então ele se volta ao homem que não quer que brinque com nenhum dos seus códigos de masculinidade, como bem lembrou Lula Rodrigues no lançamento da linha Boticário Men.

Mesmo não querendo que brinquem com sua sexualidade, não é bem testosterona que importa, mas sim, uma masculinidade natural. Ben Affleck já brincou na época do lançamento de Paycheck, que casaria com Matt Daemon, quando os repórteres faziam insistentes perguntas sobre o final de seu relacionamento com JLo. Matt retribuiu chamando Ben de “meu parceiro-hetero-de-uma-vida”. Ou seja, quem está tranqüilo com sua homice, não teme certos estereótipos.

paulsculfor.jpg

Paul Sculfor: natural masculino

Na moda isso refletiu com uma onda quase quase retrô, como em Bottega Veneto e Valentino. Tudo no lugar, ternos corretos, sem muitas invencionices. Como comentei no balanço de moda masculina em Milão.

Os lançamentos principais de moda masculina, também trouxeram um homem-guerreiro, como os de John Galliano. As imagens impactantes poderiam ser menergy em termos. Porém, penso que isso tem a ver mais com um momento de insegurança, de violência do mundo do que propriamente com a questão do menergy.

Por outro lado, há quem aposte num homem mais colorido ou num homem mais sensível, tipo nerd, como a Prada e no Brasil, com a VROM. Tem os naturais, aqueles que querem conforto, tem os indies, tem tem tem… a lista é grande.

Ou seja, existe no momento uma indefinição do mercado sobre o homem do século XXI. Quem é ele, o que consome, quais são seus hábitos… Então, muitos novos termos vão surgir ainda, é só uma questão de tempo.

O que ainda os seguidores de tendências não entenderam é a proliferação cada vez maior de micro-grupos que interagem entre si, dependendo da hora, do lugar, da circunstância. Masculino-plural, sabe como???


robmoodiejd4.jpg

O mercardo busca definições onde não há

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 41 outros seguidores