Final de Brazil Next Top Model tem gravação hoje

next.jpg

Na quarta (3) começou Brazil Next Top Model. O programa fez com que várias pessoas ligadas ao mundo da moda se reunissem para assisitir a estréia. Teve festinha na House of Palomino, muita gente foi e outros preferiram ver de uma forma mais relaxada, tipo pipoca em casa mesmo com os amigos. É claro, que o xoxo e as imitações rolaram com os momentos impagáveis do programa.

Os meus preferidos foram:

1. Primeira entrada da Fernanda Motta com o bate cabelo para lá e para cá.

2. Alexandre Herchcovitch tirando as medidas das modelas: “100 cm, vulgo 1m”

3. Erika comentando sobre a Erin O´Conner Dus Infernus (Érycka Medeiros): “Ela é exótica…para o bem”

4. O diferença do desfile de miss para desfile de modelo da miss-sei-lá-da-onde

O que senti falta: do humor de alguém como o de Alexander, aquele que ensina as modelos a andarem da versão original e de um top fotógrafo no juri.

Os episódios já foram todos gravados, exceto o último que conta com um desfile especial do Herchcovitch com os looks de seus 15 anos de carreira. Dizem que ele volta da China hoje direto para lá. Vou lá dar uma conferida!

Se eu tenho uma concorrente preferida? Sim, a santista Mariana Velho.

mariana.jpg

Anúncios

Peter Greenaway fala sobre a morte do cinema

greenaway.jpg

Peter Greenaway é um artista multimídia, que ficou conhecido principalmente pelos seus filmes “O Cozinheiro, o Ladrão, Sua Mulher e o Amante” e “O Livro de Cabeceira”. Na quarta (3), para uma platéia composta principalmente de estudantes e professores da Faap, ele falou sobre sua polêmica teoria sobre a morte do cinema.

Ele é um homem alto, e como há dez anos atrás, quando veio ao Rio de Janeiro apresentar a ópera Cem Objetos para Representar o Mundo, continua com seus cabelos grisalhos, roupas pretas e uma metralhadora de 1000 palavras e conceitos por minuto.

Greenaway inicia com a projeção de seu último filme Nightwatching, sobre o pintor Rembrandt que foi lançado em agosto no Festival de Veneza. Ele chama o filme de biografia pictórica do pintor holandês, e faz parte do que ele chama de “alfabetização visual”.

Trailer de Nightwatching inspirado no quadro Ronda Noturna de Rembrandt

Para o artista o cinema morreu em 31 de setembro de 1983 com a invenção do controle remoto: “O zapping é o início da interatividade e da escolha. A passividade do cinema caiu em desgraça. Não faz mais sentido colocar um monte de gente numa sala escura em que só há um lugar bom para ver o filme”.

A questão para Greenaway é que os filmes se tornaram monótonos, depois de 5 minutos você já sabe tudo o que vai acontecer. Ele formula uma tese sobre as quatro tiranias do cinema:
“O cinema precisa deixar de ser escravo do texto, o cinema precisa deixar de ser escravo do quadro único, uma invenção renascentista que as novas tecnologias têm total condição de subverter. O cinema também necessita deixar de ser escravo do ator, e mostrar que filmes não devem ser parque de diversão para Sharon Stone e, por último, o cinema precisa livrar-se da própria câmera cinematográfica. Desta forma, acredito que o cinema será reinventado por completo”.

Leia abaixo trechos sobre que Greenaway fala sobre estas tiranias.

Tirania do quadro : : “O cinema é herdeiro da pintura, da fotografia e posteriormente do teatro. A visão é sempre retangular e quem assiste acaba por vivenciar uma experiência rara para o ser humano que é olhar para um quadro durante 120 minutos. O ambiente virtual e tridimensional do site Second Life é a prova de que o futuro já chegou e que as crianças e jovens de hoje em dia já vivem numa época pós-cinematográfica”.

Tirania do texto: : “De acordo com Derrida, a imagem é a última palavra. Não temos um cinema baseado na imagem. Cinema é criado a partir do teatro e da literatura. Um cinema que seja pautado na imagem é a minha busca”.

A frase de Derrida fica ali ecoando na minha cabeça: A imagem é a última palavra. Esse é o tema central do meu post no BlogView: A imagem da moda vale mais do que a moda?

Tirania do ator: :“O cinema não é um playground para Sharon Stone. Apesar de muitos filmes parecerem um palco para expor a figura central do ator, ele precisa dividir a tela com outras evidências do mundo, como uma figura em uma paisagem. O ator é treinado para fingir que não está sendo visto. Assim, não utilizamos o ator de forma sensata”.

Tirania das câmeras: : “O cinema tem que se livrar das câmeras. Já é mais do que evidente que o fotógrafo deixou de ser a pessoa mais importante do processo cinematográfico. O elo mais importante hoje é o montador, que pode fazer qualquer coisa a partir de qualquer coisa. Ele pode segurar um papel em branco e, a partir daí, desenvolver um filme de longa-metragem, com narrativa. Lembremos Picasso, que uma vez disse que não pintava o que ele via, mas apenas o que ele pensava. Acho que as novas tecnologias realmente nos oferecem um mundo de possibilidades para que mudemos por completo a noção que existe hoje do que seria o cinema”.

Nota de conclusão

Apesar do cineasta/artista fazer várias experiências no sentido de romper com estas “tiranias”, como suas telas múltiplas que comparecem em vários de seus filmes, de romper com a linearidade da narrativa, de usar múltiplas linguagens como puderam ser vistas no Videobrasil, ainda assim elas permanecem lá.

Por exemplo, a triologia Tulse Luper Suitcases deveria romper com as telas de cinema que ele tanto critica. Uma das maneiras, seria apresentar esta obra como uma jukebox eletrônica, onde o espectador pudesse selecionar trechos da trajetória do personagem, re-editando a sua maneira as narrativas presentes nos filmes, propondo outros graus de interatividade.

Já viu a QUEM?

Mais um trabalho que ganha lugar de honra no meu portifolio: capa e editorial de moda edição de aniversário da revista QUEM!!!

Alline Moraes fotografada por Claudio Carpi no Aterro Sanitário Jardim Camacho (RJ)

capa01.jpg
Vestido Dobradura de Luiz Claudio Silva, feito de algodão orgânico tingido com chá.

capa02.jpg
Look Osklen Collection

capa03.jpg
Colete com capuz de câmara de pneu, da série LUXDELIX, de Jum Nakao. Colete dos catadores de lixo do Aterro Sanitário de Gramacho (RJ). Body, legging e tênis do acervo pessoal

capa04.jpg
Corpete trançado de câmara de pneu e saia feita com mil sacos de lixo reciclados, ambos da série LUXDELIX, de Jum Nakao

MODA: DENISE DAHDAH PRODUÇÃO EXECUTIVA: RICARDO OLIVEROS ASSISTENTE DE PRODUÇÃO: BRUNA LOBO BELEZA: CECÍLIA MACEDO (GLOSS)