PENSE MODA 2 :: Herchcovitch fala de seu processo criativo

No segundo dia do Pense Moda, Camila Yahn na apresentação do estilista Alexandre Herchcovitch disse que ele tem um trabalho autoral com criatividade e personalidade, ao mesmo tempo que cria desejos no consumidor. O estilista falou de seu processo criativo e como sua marca está estruturada.

Herchcovitch abre dizendo que este convite para falar sobre seu processo criativo não é muito comum e o que esta é a mesma apresentação que fez em Tóquio:

“A marca existe oficialmente desde 1994 e é comercializada em quatro lojas próprias no Brasil, uma loja em Toquio e uma loja virtual. São 120 lojas multimarcas no mundo que também vendem Herchcovitch”.

Hoje a marca na verdade é dividida em 4: Herchcovitch;Alexandre com pret-a-porter feminino e masculino; Herchcovitch Jeans, uma linha mais básica e acessível; Special Edition, que não tem vinculação com a marca principal e é voltado para os clássicos da marca (camisetas de caveira, Pomba-Gira, por exemplo), além de usar tecidos marcantes de ouras coleções; Judy Blame & Alexandre Herchcovitch, onde o stylist inglês e o brasileiro trabalham os símbolos dos dois: a coroa e a caveira, em coleções básicas. A parceria tem 3 anos e é vendida no Brasil.

Nestas 3 marcas são comercializados mais de 1000 itens por ano. A empresa tem o Diretor de Criação, que é o próprio Herchcovitch. O Consultor de Criação, cargo de Maurício Ianês, que exerce mais do que a função do stylist, pois ele participa desde a escolha do tema e todo o processo de criação, confecção até o produto final. 1 Estilista de acessórios e aviamentos, um estilista de pret-a-porter e um estilista de jeans. Para todas as áreas tem o suporte da área de desenvolvimento de produto.

A linha feminina da marca principal corresponde hoje a 40,59% da produção total; a masculina 26,86%; a linha jeans feminina 27%, masculina 2,87% e a linha Special Edition corresponde a 2,68% dos 1000 itens produzidos por ano.

Sobre seu processo criativo, Herchcovitch apresentou 4 desfiles em que as imagens de inspiração eram claras. Antes de começar a palestra ele revelou que seria bem didático. O primeiro a ser apresentado foi a coleção de Primavera-Verão 2006/7, em que o tema de inspiração foi a tribo africana Ndebele.

ndebele.jpg
Mulheres da Tribo Ndebele

“Esta tribo africana foi a fonte de inspiração que misturamos com o punk. Um dos pontos de partida para a coleção foram os volumes dos cobertores, que não respeitam a anatomia do corpo”, explicou o estilista.

12_spfw_v07_05alexandreherchfeminino_f_018.jpg
Como os cobertores Ndebele foram trabalhados na coleção

“Os ornamentos e as miçangas também foram usados na coleção, com peças bordadas…”

ndebele-frontispiece.gif

12_spfw_v07_05alexandreherchfeminino_f_010.jpg
A estampa de gilete ganhou tratamento gráfico da tribo africana e foi todo rebordado em miçangas

Este foi o primeiro exemplo criativo que o estilista desmembrou, depois apresentou a coleção masculina de Verão 2007/8

death.jpg

“Era uma idéia que tínhamos há muito tempo de trabalhar com o universo do death metal e misturar com meu universo. Depois de pesquisar a música, as imagens tem o trabalho de criação. As correntes por exemplo ganharam um tingimento especial que adquire o manchado do tie-dye, que é muito recorrente em várias coleções. As calças com ilhoses também já faço há muito tempo”

A coleção feminina de Outono-Inverno 2007

boiasfrias.jpg

“Os bóias-frias usam a sobreposição para protegerem-se dos rigores do trabalho. Várias peças usam esta sobreposição, incluso a junção de várias peças em uma só, como uma macacão que é feito a partir da junção de uma camisa, saia e calça. O plástico que também é usado por eles nos dias de chuva, conseguimos um fornecedor do Sul, que fez um vinil muito fino parecido com plástico. Usei também sacos de lixo com tratamento de alfaiataria nesta coleção”.

Por último, o estilista apresentou a coleção masculina Outono-Inverno 2007

islandia.jpg

“Aqui usamos as referências da Islandia e de esportes como snowboard. O uso de peles por dentro da roupas deles, que no nosso caso utilizei peles falsas. As padronagens tradicionais islandesas, que chamamos de estampa mosaico, ganharam aplicações em tachas coloridas”.

Depois da apresentação, a platéia pode fazer perguntas. Uma delas foi sobre o processo de aquisição de marcas por conglomerados de moda (assunto recorrente no Pense Moda):

“Quando um grupo adquire várias marcas, ele pode ter uma negociação mais agressiva com os fornecedores. Ou seja, quando ele vai comprar tecido compra para 15 marcas, ou seja, o poder de negociação é maior, o preço consequentemente é menor e isso reflete no produto final”, explicou Herchcovitch.

Sobre a questão da moda ecologicamente correta:

“Este é um assunto extremamente recente e que começo a prestar atenção. Daqui um tempo uma loja pode se recusar a comprar uma coleção por não ser ecologiamente correta. Temos que nos preparar para isso”.

Jackson Araújo perguntou qual foi o desfile mais significativo para ele:

ale.jpg

“Depois do desfile de 97 em Londres todos me pergutavam sobre alfaiataria, onde estava minha alfaiataria. Comecei a perceber como a alfaitaria era importante, porque representa o amadurecimento de uma marca, traz mais clientes com maior poder aquisitivo. Meu desfile de Verão 2000/1 trouxe isto. No processo criativo não tinha imagens de roupa, somente fotos de falsa paranormalidade dos anos 20, com aqueles ectoplasmas. Eram só formas”.

LEIA + SOBRE HERCHCOVITCH NO PENSE MODA

Oficina de Estilo
About Fashion

6 Comentários

  1. Tô adorando o seu relato! 😉

  2. arrasou na pesquisa de imagens, oli. tipo incrível, e eu nunc atinha visto imagens dessa coleção de 97! =)

  3. […] E cada vez que a gente ouve o Alexandre Hechcovitch falar a gente fica mais fã! Que além de ser super criativo, ter idéias que fazem a gente suspirar e de ser super bom empresário, ele ainda fala bem e é uma graça de pessoa, de verdade. E hoje vimos referências de inspirações e ouvimos dele mesmo como essas referências se desdobram e aparecem na passarela e depois na arara da loja. Tipo para a coleção masculina desfilada em janeiro, em que ele pesquisou imagens do Alasca e de esquimós: diz que teve muita cor e estampa na coleção porque ele reproduziu um padrão coloridíssimo usado por eles lá no gelo por conta da paisagem ser muito branca e limpa sempre. Não é demais? Tem mais exemplos no texto pro Pense Moda, no site oficial (que já já deve aparecer lá! – tá aqui enquanto isso!) e tem um monte de imagens legais no Fora de Moda. […]

  4. Oi Oliveros,
    A coleção a que o Alexandre Herchcovitch se referia é aquela com cabeças de orixá pretas com franjas sobre o rosto e meias flúo, que foi desfilada sob luz negra. Okay? Obrigado pela citação. Pelo visto, sua cobertura é a única completa do evento. Parabéns. Bjs. Jackson

  5. Processo justificadíssimo, contudo alia-se a inspiração a algo q já está pronto na sua cabeça, vc sabe exatamente o que quer qdo começa a criar. Observo q suas coleções são amadurecidas com sua experiência e um período de estar pronta mesmo.

    Parabéns

  6. eu nao gostei!!tem q melhorar um pouco!!!

    vcs parece q nao entende de moda


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s