Microgrupos definem as diferentes modas possíveis

spencer.jpg
Spencer Tunick, Santa Maria da Feira (Portugal), 2003

Marie Rucki que sabe das coisas declarou: “A moda mudou muito. Não se pode mais falar em tendências, pois os períodos estão muito curtos e a moda em movimento constante”, dispara. “Se olharmos para trás veremos que a forma e a modelagem não mudam há 50 anos. O que muda é a forma de usar e a composição que os estilistas propõem”, analisou.

Eu fiquei pensando que uma das boas coisas que a revolução tecnológica trouxe a tona foi a capacidade do maior número de pessoas se comunicarem e deixarem seus papéis passivos de receptores de informação para se tornarem agentes da comunicação.

O números de redes virtuais, comunidades, blogs, começam a surtir efeitos no mercado, incluso o da moda. Vivemos mais do que nunca cercados de telas móveis: televisão, computadores, laptops. Hoje, os celulares deixam de ser apenas aparelhos transmissores do padrão oral, para ser também um difusor de imagens e palavras.

O Brasil é um fenômeno de comunicação. Nosso país é o segundo nos rankings de uso de ferramentas como fotologs, orkut e blogs, apesar de todas as diferenças sociais que enfrentamos.

O mercado que sempre é muito “sensível” as mudanças de comportamento vêm há anos desenvolvendo recursos para chegar ao seu consumidor final. Marketing direto, personalização, interatividade são as palavras chaves que respondem a este processo de fragmentação social cada vez mais evidente.

Do momento que acordamos até o momento que vamos dormir, aceitamos e assumimos os mais diferentes papéis sociais. Um exemplo vago: a secretária executiva que usa tailleur de dia, pode freqüentar a academia com seus leggings e shorts de lycra vibrante e ser a gatinha de microshorts e sandália alta na boate.

Os comportamentos sociais ainda têm certas regrinhas básicas, mas cada vez mais são flexíveis, dependendo do grau de socialização que você tem. Ou seja, quanto mais você freqüenta diferentes atividades sócio-culturais, mais flexibilidade na hora de se vestir e opções você terá ao seu dispor. É o que a Antropologia Cultural chama de “forma lúdica da socialização”.

As tribos de ontem, os microgrupos de hoje têm características como a flexibilidade, a mobilidade, a experiência compartilhada, o lado emocional, o sentimento de coletivo, que você revive dentro de cada grupo que você escolhe para conviver. E o melhor, sem ter que ser fiel a nenhum deles.

Já reparou na quantidade de grupos específicos existem no espaço virtual… É isso, cada vez mais o mercado da moda terá opções diversificadas para você, tipo mulher-urbana-que-curte-andar-de-bolsa-de-alcinha-e-ama-estampa-de-oncinha

Duvida? Já viu uma lista de tendência? Tem para todos os gostos, ocasiões e possibilidades que você procura. E isso não quer dizer, que se você decidir, em 2008, usar carteira, jeans e camiseta, estará fora de moda. É só encontrar seu grupo: eu-amo-carteira-jeans-e-camiseta, entendeu?

Anúncios

2 Comentários

  1. Adorei o post.
    Além do texto, que é ótimo, a imagem é perfeita para ilustrar o tema.
    bjosssss

  2. […] O mercado sempre prefere polarizações porque fica mais fácil de identificar seu público-alvo. Porém, a globalização que poderia massificar ou unificar as massas, o resultado foi a manifestação de microgrupos.. […]


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s