A criação objetiva na moda

Bom, voltei de Itajaí, depois de dar uma palestra sobre a Criação objetiva na moda. Acho que vai ser impossível descrever por aqui tudo o que falei. O auditório da Univali estava lotado e queria agradecer ao Jaison Bogo pela oportunidade, a Bianka, coordenadora do curso de moda da Univali, a Patrícia Lima que foi quem me levou a primeira vez para lá. O blogueiro mais famoso da região, o Romeu. Ah! E em especial ao pessoal do Senai de Criciúma que enfrentou 5 horas de viagem (só de ida!!!) para ouvir o que eu tinha para falar. Sem falar dos empresários que foram prestigiar também.

Comecei definindo a palavra criação e usei o Houaiss, que diz:  ato de aperfeiçoar coisas existentes. Afinal o corpo humano será o mesmo ainda por milênios. Nesta linha apresentei primeiro os grandes criadores que empurram a moda para frente (e às vezes para trás), como Alber Elbaz, Miuccia Prada, Marc Jacobs, Hussein Chalayan.

Que mesmo para estes grandes criadores a vida não está fácil, porque depois da década de 90, veio o que Ted Polhemus falou sobre o supermercado de estilos e a era da costumização. Era a hora que a moda começou na prestar atenção na moda de rua, da possibilidade do consumidor pensar como curador de si mesmo, e poder escolher entre a diversidade de estilos e recombiná-los de acordo com seus desejos.

Com isso, as tendências de moda que eram muito claras no passado foram deixadas paulatinamente de lado e cada marca se viu obrigada a lidar com isso. A explosão da moda de rua se deu também pelos blogs que tratam disso. Em vez da uniformidade, da idéia de pertencimento a um determinado grupo, temos hoje as formas lúdicas de sociabilização. Ou seja, dependendo da atividade que desenvolve, podemos assumir diferentes personas durante o dia.

Para não entrar em muitas polêmicas, peguei a frase a Marie Rucki sobre a morte das tendências. Foi a deixa para entender como uma grande direção é interpretada por diferentes estilistas. Peguei a idéia da moda cowboy, hit absoluto do inverno.

Peguei as coleções de Herchcocvitch e do Reinaldo Lourenço  para ilustrar sobre o que a Ruckie estava falando. Além das imagens dos desfiles peguei o editorial cowboy punk da Denise Dahdah para mostrar como os editores tiveram que lidar e interpretar esta idéia, já que todas as revistas fizeram seus editoriais nesta linha.

Mas fui avisando que no final das contas, o que o povo ia usar mesmo, era isso:

Assim como acontece com os grandes marcas que investem milhões em pesquisa, tecidos, para no final vender bolsas, sapatos e perfume. Porque no fim das contas, quantas pessoas no mundo podem comprar um vestido Prada??

Perguntei se as pessoas não acham estranho que de uma hora para outra, penkas de estilistas começam a apostar numa figura como cowboy. Como isso se dá? Entra a figura do trend hunter e dos birôs de pesquisa de comportamento. Anos antes, já temos os futuros desejos que o consumidor vai querer ter.

Mostrei como é uma pesquisa nesta área e como isso é apresentado. Cabe aos estilistas interpretarem de acordo com sua história (DNA?) interpretar este material. É isso que chamo de criação objetiva.

Aparentemente grandes marcas podem apresentar o que quiser e como quiser. Mas a coisa não é bem assim. Elas também estão sujeitas aos humores do mercado e querem sobreviver dentro de um quadro que a fidelidade não existe e a concorrência é dura. Por isso, a figura do trend hunter se tornou uma peça fundamental do estrutura da moda.

Sobre a concorrência dura que os alunos presentes iriam enfrentar no futuro, lembrei que nem só do próximo grande criador que a moda depende. Falei que as escolas de moda deveriam diversificar a formação. Hoje o mercado sente falta, por exemplo, de bons modelistas, bons compradores.

Para finalizar falei da experiência que eles podem participar dentro do SCMC. A questão central da criação objetiva neste evento, deveria ser aproveitada no sentido de explorar os materiais que eles iriam deparar, a importância da investigação e do experimentalismo. E não se preocupar tanto em fazer “roupas”. E o quanto todos envolvidos ganhariam com este processo.

Claro, que aqui fiz um mega resumo de tudo o que foi discutido, perguntado e debatido. Foi uma experiência única, confesso. Desde que fiz meu mestrado, nunca tinha voltado mais ao ambiente acadêmico. Só que agora, minha informalidade pode fazer mais sentido, do que naquela época.

11 Comentários

  1. Ricardo, muito obrigado pela maravilhosa palestra. Ficamos honrados com sua presença aqui. Já virei fã do seu blog…estamos montando o nosso …entra lá=>estamparialancaster.wordpress.com. Visite também o nosso site http://www.lancaster.com.br. Fiquei pensando…hoje vamos montar um linha só com estampas atigas …vai ser show!!! Valeu muito!!!! Abração!!! Fica o convite para conhecer a nossa empresa .

  2. Adorei a palestra! E indico para todos, com certeza!
    Uma visão da moda que poucos pensam!
    Adorei, super beijo!

  3. Expressões inteligentes, bem articuladas, informações preciosas; isso define a palestra de ontem.

    Parabéns!Acredito que todo seu repertório tenha sido gerado a custo de muito esforço e dedicação.

    Aguardo outras oportunidades de ouví-lo!
    Beijos

  4. […] grande profissional (aliás, a palestra dele foi elogiadíssima, entra lá no blog dele para ver o resumão). Mas pensa só como seria se fosse oferecida  total liberdade de criação para profissionais […]

  5. Ricardo, vc deu o ponta pé inicial para um grande ano de SCMC – os comentários aqui pela região sobre sua palestra são os melhores : chove modelista orgulhosa e feliz!! Obrigado pelo empenho, dedicação, força, capacidade, pela simplicidade. Os alunos tiveram acesso ao que realmente importa na moda. As portas de nossas empresas, escolas, cidades estão abertas pra vc. Um forte abraço !

  6. Amaria estar nessa palestra…
    Precisamos de muuuuuitas aulas..rs!
    Beijos do Blog “NÃO SOMOS APENAS ROSTINHOS BONITOS”

  7. Sua palestra deve ter sido muito boa!! Se o texto já foi tão incrível assim, imagina lá, ao vivo!!

  8. arrasou. continuo na torcida por uma versão informal, pra amigas (pagantessssss), aqui pra gente. =)

  9. como havia dito, foi uma palestra muito construtiva e dinâmica, nós ex parcipantes do SCMC adoramos mesmo.
    uma visão muito clara e sucinta da moda hoje por completo.
    parabens

  10. Ricardo,adorei tua palestra!Bjo
    Andrea Borba

  11. Parabens!


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s