FASHION RIO :: O tempo de Rita Wainer, uma Moira de si mesma

É um privilégio poder acompanhar a evolução de uma estilista tão de perto, assim. Sim, eu sou amigo da Rita, adoro esta pessoa, então antes de mais nada, sou megahipersuspeito para falar do desfile-instalação-performance da Theodora. Assim, como as críticas de cinema que contam o final do filme e avisam nas primeiras linhas, cabe ao leitor decidir se quer ir ao final ou não.

Rita não começou com moda, mas como artista plástica. Teve uma época que ela mandava uns emails com frases ótimas, que depois viraram camisetas e ela foi convidada a desfilar. Meio que ela não remou contra a maré e foi navegando até entrar em crise e não saber se queria continuar com esta história de moda.

A Theodora foi meio que dando certo e conseguiu uma certa clientela fiel. Ela mais do que ninguém sabe que hype não dá grana. Fechou a loja, procurou outras formas de vender seu produto, incluso seu blog. No inverno passado, Rita entrou noutra fase, e cansou de fazer roupas de menina. Não foi um desfile fácil, chamava de “coleção intermediária”. É um turning point que pode acontecer com qualquer um.

 

A partir daí, nas próximas etapas é que vai se delineando mais claramente por qual caminho vai seguir. Hoje, a partir da mitologia das Moiras, seres que segundo a mitologia grega teciam o fio da vida dos humanos. No centro do cenário, três modelos usavam maiôs ultrabordados e com vários fios de lã faziam o papel mitológico. Em volta delas, uma mandala feita de tecidos e espelhos partidos. Tudo ia se construindo ou se descontruindo entorno disso. Relógios-despertadores, modelos com balões, numa alusão muito particular daquele padre maluco, e muitas cadeiras amontoadas, desqualificando as filas A, B, C… 

Na verdade, o público poderia entrar, circular por entre tudo isso, e ir embora. Mas ficaram todos ali, como se fosse de fato uma apresentação com começo, meio e fim. E os amigos-parceiros entenderam rapidamente que seria assim e resolveram dar esta caráter. O que era instalação, virou performance, virou desfile. Tudo ok.

Acabei dando uma entrevista para o novo site da Lilian Pacce (depois conto mais) falando desta tipo de apresentação na moda. Resumindo, disse que quando tem a ver, não vejo problemas. Se não for poeira nos olhos, tá tudo certo.

Quando comecei a olhar os 10 looks da apresentação, fiquei pensando como a Rita amadureceu e o tempo que ela levou para tecer seus próprios fios. Não é fácil ser Moira de si mesmo. Se no Inverno a preocupação era conciliar seus novos desejos com uma coleção normal, com 30 looks, aqui era mais conciso. Ela avançou em modelagem, no cuidado com cada peça e depois ela pode desenvolver (ou não) uma linha mais comercial, a partir daqueles 10 modelos. Não pensem que eram 10 looks soltos, eles têm uma coesão forte entre si.

Fui abraçar a Rita no final com toda a sinceridade do mundo, dei meus parabéns. Achei realmente lindo. Antes encontrei a Thais Losso que foi dar uma força para a vizinha de atelier. Ela avisou que os meninos do Estudio Xingu, que desenvolveram os acessórios do desfile da Theodora chegam amanhã, para mais uma ação entre amigos. Deu tempo antes do desfile, dar um abraço no Frank Dezeuzis que fez o cenário, no Theo Carias que fez o make. Olhe que só 4 dias antes, a equipe soube que iria ter um desfile com o mesmo casting, então, não puderam executar toda a beleza pensada para a apresentação. Depois fui jantar com uma trupe ótima, que incluia a Leticia Toniazzo, a stylist do desfile, e ela me contou mais um pouco sobre o processo.

O tempo pode separar muita gente, ao mesmo tempo, que pode servir para juntar aquelas pessoas que são essenciais para nossa vida. Foi com este pensamento que saí de lá. E pensando que o tempo é um dos grandes luxos deste novo milênio, e que Rita Wainer usou muito bem esta preciosidade.

FOTOS: Charles Naseh/ Chic

6 Comentários

  1. Adorei esse post! O texto está ótimo, é como se a gente estivesse lá vendo tudo!! Muito bom!!!

    Beijos!

  2. Lindo, realmente.
    Um desfile que tem história, que inspira, no qual a gente sai da sala pensando, lembrando dos looks… é algo forte e um tanto raro. Parabéns à Rita! E à vc, Ricardo, pelo blog!

    bjs!

  3. […] que de certa forma sempre esteve muito presente em seus trabalhos. Super recomendo a leitura do texto que o Oliveros fez sobre o desfile no blog dele, o Fora de Moda. This entry was posted on Sunday, June 8th, 2008 at 7:14 pm and is filed under Fashion Rio, verão […]

  4. Q fantástico seu post… quase senti o cheiro do lugar!😉

    Obrigada pela experiência… bjsss

  5. […] mais fotos no Fora de Moda, onde o Ricardo Oliveros analisa (lindamente) os dois desfiles, da Rita e da Thais. Pelo olhar dele dá pra gente pensar melhor nos temas e princípios e evoluções de […]

  6. Sou fã incondicional da Rita, mas cidade “pequena” não tem este tipo de moda. Naseh mandou muito bem nas fotos, como sempre.
    Parabéns, Ricardo, pelo post maravilhoso desta artista maravilhosa e que ainda colocou fotos desse fotógrafo que além de maravilhoso, é um figura.

    bjs.


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s