Saiba + sobre O outro lado do muro

Como devem imaginar nem estou respirando e dormindo direito!!! Mas aqui vai mais informações sobre a exposição.

PONTO DE PARTIDA


Adriana Varejão Elegia Mineira, 2007 Blacklight
Cortesia Galeria Fortes Vilaça

A exposição Do outro lado do muro começou a ser pensada desde abril, com o convite do Houssein Jarouche que queria fazer alguma ação na casa que ele comprou do lado da MiCasa. Um evento que fizesse a ponte entre a arte e o design.
No começo pensei nos artistas que utilizavam objetos cotidianos nas sua trajetória artística. As galerias foram o ponto de partida, porque a MiCasa já tinha uma relação estreita com a Leme, eu com a Vermelho e a Alessandra Daloia já tinha manifestado um interesse em alguma parceria com a loja.
Por outro lado, os dois primeiros nomes não vieram diretamente das galerias. A Rochelle Costi, que é do casting da Brito Cimino, foi uma escolha natural pelo histórico dela. O outro foi o Luiz duVa, porque desde o primeiro dia que pisei na casa, pensei nele, e na obra Demolição, que ele apresentou no Sonar, que aconteceu no Tomie Othake.

Depois, fiz uma pesquisa nos artistas das galerias, fiz reuniões e os nomes foram surgindo. Confesso que no começo, era mais despretenciosa, mas ela foi tomando um vulto maior, pelos nomes e obras envolvidas. Ao final temos 19 artistas e designers nacionais e internacionais na exposição.


Marcelo Cidade Imóvel, 2004 Carrinho de supermercado e tijolos de concreto
Cortesia Galeria Vermelho

PONTO DE CHEGADA
É incrível como se pensa em algo no começo e quando vai se elegendo as obras a coisa muda de rumo inesperadamente. A situação de artistas que trabalham com o cotidiano foi se transformando e acabamos com 3 pequenos eixos que dominam espacialmente e conceitualmente a mostra. Temos o que chamo Da Rua a Casa com 2 obras. Uma do grafiteiro FLIP que vai fazer uma ação na piscina da casa, no dia da abertura e um neon do Kelber Matheus.

Depois no pavimento térreo da casa, há um aspecto construtivo, obras que dialogam com a construção e descontrução. Muitas obras tem o tijolo como matéria prima: André Komatsu, Los Carpinteros, Marcelo Cidade, Angela Detanico e Rafael Lain, Luiz duVa. Tripytique fez um projeto de iluminação que é ao mesmo tempo uma instalação. A Mariana Manhães completa esta segunda parte com uma videoinstalação onde sua construção está toda aparente.

No pavimento superior temos a apropriação e transformação de objetos cotidianos, desde cadeiras pela Adriana Varejão, tacos de madeira pelo Daniel Senise, garrafas pelo David Batchelor, papel de parede da Rochelle Costi, brinquedos pela Gisela Motta e Leandro Lima, espelho por Henry Krokatis, malas são os objetos do Renato De Cara e mais uma vez o tijolo tratado como escultura pelo Iran do Espirito Santo.

“A exposição DO OUTRO LADO MURO é inspirada na possibilidade de cruzamentos de linguagens, traz obras tanto de artistas quanto de designers que diminuem a noção de limites entre um meio e outro. Não se quer em afirmar que design é arte e sim procurar ampliar o horizonte do saber e do fazer. Ambos tem como ponto de partida o processo criativo, e o que antes era muito claro, hoje não podemos ver da mesma forma”


David Batchelor Walldela, 2006 10 recipientes plásticos, lâmpadas, cabos,plugs
Cortesia Galeria Leme

DO OUTRO LADO DO MURO
Abertura: 09 de agosto (para convidados)
Seg a sexta 11 às 18horas até dia 06 de setembro.
Micasa Rua Estados Unidos, 2109. Jardim América São Paulo.

8 Comentários

  1. quero só ver

  2. Acho super bacana esse cruzar do pensamento da arte contemporânea com o morar, com a casa e os objetos, e to loco pra ver como essa poesia imaterial vai cruzar com o design e não apenas ser um exercício contemporâneo sobre o viver ,morar e habitar, o design já se tornou uma linguagem separada da arquitetura,
    hoje já podemos falar em uma cultura do design e e’ ai que fica a minha duvida sobre esses cruzamentos, porque so’ o deslocamento não e’ o suficiente pra ser chamado de design, o trabalho da Triptyque que e’ lindo não e’ design e’ arquitetura pura e e’ ótimo , e o cruzamento com o design ? To loco pra ver…;- )

    Super bacana ver um trabalho assim no Brasil ,abraço ,

    Rodrigo Almeida

  3. […] obras que relacionam arte e design. A curadoria é do amigo mais que querido Ricardo Oliveros, e ele mesmo explica tudinho sobre a seleção de artistas, sobre os significados das obras escolhidas/expostas, sobre os […]

  4. O título já é, por si só, bem instigante…

  5. E eu que não consegui entrar lá no sábado! Cheguei lá as 18:30, fui deixar o carro com os manobristas e eles falaram que já tava fechado que não podia mais entrar…Fiquei puto (comigo mesmo, por não ter ido mais cedo) Agora vou passar lá durante a semana mesmo…

    Beijos!

  6. oi bi, eu gostei muito da exposição. pena que acabou rápido e não conversamos muito, mas achei tudo a proposta, as obras, a seleção dos artistas. em especial amei o que a tryptique fez. bjo!

  7. […] outro lado do muro: imagens Só agora consegui as imagens da exposição Do outro lado do muro feitas pelo Raphael Manfredo. Se quiser ver tudo ao vivo tem até o dia 06 de setembro. Foi uma […]

  8. […] A exposição Do outro lado do muro começou a ser pensada desde abril, com o convite do Houssein Ja… […]


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s