Saiba como é o projeto de Rosenbaum para MiCasa

Quando fui convidado pelo Houssein Jarouche para fazer a exposição Do Outro Lado do Muro, ele me mostrou o projeto do novo espaço da MiCasa que vai substituir a casa na rua Atlântica. Na linha o mundo-é-bem-pequeno quem fez o projeto é outro amigo de longa data, Marcelo Roseunbaum, que no seu blog explica todo o conceito do espaço.

Eu tenho uma profunda admiração pelo trabalho do Roseunbaum pelo compromisso sincero de resgate de questões muito brasileiras na arquitetura e decoração. Brinco que ele está para arquitetura como o Ronaldo Fraga está para moda.

Eu já fui arquiteto e na época que era estudante fiz vários cursos de bio-arquitetura no Tibá. Lá com o arquiteto holandes Johan van Lengen aprendi várias técnicas construtivas sustentáveis. Foram várias idas e vindas até Nova Friburgo no Rio de Janeiro. Quando vi o projeto do Roseunbaum liguei para ele para comentar sobre a revolução arquitetônica que ele estava fazendo ao propor uma arquitetura orgânica feita de adobe.

Ele explicou que a fonte de inspiração estava na casa do João Barro e na cultura indígena para fazer as duas ocas do projeto. O adobe é uma técnica ancestral de construção presente em várias culturas e que foi adotada pelo arquiteto para diminuir o impacto da construção com o meio ambiente, pois eles vão utilizar a própria terra que vai ser retirada do local para construir as duas ocas.

Para fechar com chave de ouro, o projeto prevê a inclusão e capacitação de jovens no processo construtivo através do Instituto Arapoty, fundado por Kaká Werá Jecupé, outra pessoa incrível com quem já pude trabalhar. Ele é um índio tapuia, escritor, ambientalista, conferencista, e seu trabalho é a difusão dos valores sagrados e éticos da cultura indígena. Ele é consultor do Instituto Elos, do qual faço parte e faço a comunicação da Escola de Guerreiros. É o tipo da pessoa que você conhece e muda sua vida.

O “complexo arquitetônico” da MiCasa teve o primeiro projeto feito pelo escritório mezzo francês-mezzobrasileiro Triptyque. Uma imensa caixa branca com aberturas singulares para visualização dos objetos de design. Depois veio Volume B do Marcio Kogan que revisitou princípios da arquitetura moderna brasileira, com uso do concreto aparente e um rasgo de vidro localizado na parte de baixo do cubo.

Assim, o Houssein vai dialogando com momentos da arquitetura e suas relações com as imediações da rua Estados Unidos. Agora, com o projeto do Roseunbaum, ele foi muito além. A arquitetura não é moderna,nem tão pouco pós-moderna por usar referências do passado. Fazia tempo que não via um projeto no Brasil que eu gostasse tanto. A construção começa em janeiro de 2009 e está prevista a inauguração em 2010.

Assista ao vídeo da apresentação e diga que se concorda ou não comigo!

Deixe um comentário

Nenhum comentário ainda.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s